quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

A preocupação com as drogas


A preocupação com as drogas é grande e precisa acontecer. Mas, normalmente, a preocupação com o álcool fica negligenciada e em segundo plano.
Em casa, muito provavelmente, os pais não têm maconha ou cocaína, mas certamente têm alguma bebida alcoólica.


Normalmente, nos preocupamos com as consequências do álcool somente quando ocorrem tragédias de transito (e que, geralmente, acontecem com jovens), mas esquecemos das consequências do beber frequentemente.

O jovem bebe por três motivos:

1)      Gosta do efeito que a bebida traz.

Gosta de misturar, de experimentar. Toma um pouco em casa, depois na casa do amigo que certamente, também, tem alguma bebida alcoólica e, depois, na balada ou em outro lugar qualquer que ele vá. Os efeitos podem ser relaxantes ou de extroversão e, muitas vezes, o adolescente precisa desse efeito para poder “chegar” em alguma menina, para ficar mais sociável e a vontade no meio dos amigos.

2)      “Precisa” beber para sentir-se aceito pelo grupo.

A resposta que mais se ouve é: “Todo mundo bebe e eu não vou ficar de fora!”

Como essa é uma fase de identificação e busca de identidade, o jovem precisa identificar-se com esse grupo e, portanto, usar as mesmas coisas, a mesma linguagem, etc.

Erroneamente, alguns pais tendem a beber junto com o filho ou filha porque imaginam que essa atitude poderá controlar o filho, ao mesmo tempo em que se aproximam dele. Imaginar que, pelo fato de beber junto, você estará se tornando amigo de seu filho é um erro. Na verdade, fazendo isso só estará dando aval para ele.

Filhos na adolescência, não são amigos de pais. Eles podem contar muita coisa, mas não tudo. Ele poderá beber na sua frente, mas irá beber em outros locais longe de você, da mesma forma.

A ideia de que o diálogo deve acontecer e é suficiente para controlar e evitar situações pode dificultar as coisas. Primeiramente, porque os pais imaginam que esses filhos estão tão amigos que contam tudo (o que não é verdade). Segundo, que os filhos por acharem que os pais agora estão “amigos”, eles tem o direito não só de serem ouvidos, mas de serem atendidos em tudo. A autoridade pode ficar fragilizada nesse processo, pois amigos não decidem, não dão ordens; apenas sugerem e podem ser ouvidos ou não.

3)      Bebem por fuga.

Bebem para fugirem de crises familiares, onde a interferência deles é praticamente nula por não poderem fazer nada e nem sequer serem ouvidos. Crises entre os pais, geralmente, empurram o jovem a se ancorar no grupo de amigos que o levam a “se divertir” e esquecer a crises em casa, usando a bebida.

Como essa é, também, uma idade em que autoestima desaba por motivos simples, eles tendem a fugir, usando o álcool. É uma idade cheia de complexos. A autoestima da menina desaba porque o menino não olha para ela ou porque ela se sente inferiorizada olhando para outras amigas e se comparando com elas. Desaba quando o menino não consegue evoluir nos estudos ou não tem um porte tão atlético como os outros colegas. Nesses momentos, os pais devem ficar alerta na superação dessas frustrações, antes que usem bebida, nessa tentativa. As atividades, juntas com o filho, são importantes para que esse filho saia do “baixo astral”.

Observe, também, se você, como pai ou mãe, usa mais críticas do que elogios; ou se costuma sempre comparar seu filho com o irmão ou com outras pessoas. Críticas e comparações só ajudam a derrubar a autoestima que, nessa idade, já oscila demasiado.

Situações de frustração, mesmo aquelas onde o filho percebe que não consegue corresponder às expectativas dos pais, o levam a aproximar-se cada vez mais do grupo, distanciar-se dos pais e, portanto, usando a bebida como fuga.

Existe, nessa fase, um medo grande por parte dos pais em exercerem a autoridade. Muitas vezes, o distanciamento do filho (a) é tão grande e ficam tão pouco tempo juntos que esses pais se sentem culpados por dizerem “NÃO” quando precisam, colocando limites.

Alguns pais confundem independência desses jovens com maturidade e responsabilidade. O jovem pode ter autonomia, dirigir seu carro, ter boas notas, mas isso não significa maturidade, ainda. Observe seu filho.

Alguns pais, também, imaginam que falar sobre álcool com eles não é necessário, pois muitos ainda não bebem ou mesmo não se interessam. Além disso, seria colocar medo nesses filhos sobre estatísticas trágicas e desnecessárias. Este tipo de “proteção” é inadequado, pois é exatamente o medo e essa realidade que poderá ajudar seu filho. O adolescente, nessa fase, se sente inatingível, como se nada de ruim pudesse acontecer com ele; somente com outros. Essa é uma característica da adolescência e é importante que você traga essa realidade para seu filho. Ela funciona como um alerta. Você não irá evitar tudo, mas irá evitar muita coisa ruim e uma delas é a ignorância de seu filho sobre esse assunto, causada por sua omissão.


Fábio  Bessa 
05-13890

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

As 3 últimas mudanças para tornar sua vida mais feliz e fácil

13. Desista do seu passado

Eu sei, eu sei. É difícil. Especialmente quando o passado parece muito melhor do que o presente, e o futuro parece tão assustador, mas você tem que levar em consideração o fato de que o momento presente é tudo o que você tem e tudo o que você nunca vai ter de novo. O passado que você tem saudade - o passado com que você está sonhando - foi ignorado por você quando era presente. Pare de se iludir. Esteja presente em tudo que faz e aproveite a vida. Afinal a vida é uma jornada, não um destino. Tenha uma visão clara para o futuro, prepare-se, mas sempre esteja presente no agora.

14. Desista do apego

Este é um conceito que, para a maioria, é muito difícil de entender - e tenho que admitir que para mim também era. Você melhora com o tempo e prática. O momento que você se distanciar de todas as coisas, (e isso não significa que você desista do seu amor por elas, porque o amor e o apego não tem nada a ver um com o outro. O apego vem no lugar do medo, enquanto o amor ... bem, o verdadeiro amor é puro e altruísta, onde há amor não pode haver medo, e por causa disso, o apego e o amor não podem coexistir) você ficará mais calmo, mais tolerante, mais gentil e mais sereno. Você vai chegar ao ponto de ser capaz de compreender todas as coisas, sem sequer tentar. Um estado além das palavras.

15. Desista de viver a sua vida para atender as expectativas de outras pessoas

Como existem pessoas vivendo uma vida inautêntica, delineada por outras pessoas. Elas vivem suas vidas de acordo com o que os outros pensam que é melhor para elas, vivem suas vidas de acordo com o que seus amigos, seus inimigos, seus professores,seu governo ou seus pais pensam que é melhor para elas. Ignoram a si mesmas, o chamado interior. Estão tão absorvidas em agradar todo mundo, em atingir as expectativas dos outros, que perdem o controle sobre suas vidas. Se esquecem do que as faz felizes, do que querem, do que precisam... e, eventualmente, se esquecem de si mesmas. Você tem uma vida - esta que está acontecendo agora - e precisa vivê-la, possuí-la, e, especialmente, não deixar que a opinião de outras pessoas o distraia do seu caminho.

Fonte: PurposeFairy

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Como tornar a vida mais feliz - 10,11 e 12

10. Desista dos rótulos

Pare de rotular coisas, pessoas ou eventos que você não entende como sendo estranhos ou diferentes, e tente abrir a sua mente, pouco a pouco. A mente só funciona quando está aberta.
"A maior forma de ignorância é quando você rejeita algo que não sabe nada a respeito" Wayne Dyer

11. Desista dos seus medos

O medo é apenas uma ilusão, ele não existe - você o criou. Está tudo na sua mente. Corrija o interior e o exterior irá para o seu lugar.
"A única coisa que devemos temer é o próprio medo" Franklin D. Roosevelt

12. Desista de suas desculpas

Mande elas fazerem as malas e diga que estão demitidas. Você não precisa mais delas. Muitas vezes nos limitamos por causa das muitas desculpas que usamos. Em vez de crescer e trabalhar para melhorar nossas vidas, ficamos presos, mentindo para nós mesmos, usando todos os tipos de desculpas - desculpas que em 99,9% das vezes nem são reais.



05/13890

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Ítens 7,8 e 9 para tornar a vida mais fácil e mais feliz

7. Desista do luxo de criticar

Desista da sua necessidade de criticar coisas, eventos ou pessoas que são diferentes de você. Somos todos diferentes, mas todos são iguais. Todos mundo quer ser feliz, todo mundo quer amar e ser amado, e todo mundo quer ser compreendido.

8. Desista da sua necessidade de impressionar os outros

Pare de tentar ser algo que você não é apenas para fazer os outros gostarem de você. As coisas não funcionam dessa maneira. No momento em que você parar de tentar ser algo que você não é, no momento em que você tirar todas as suas máscaras, no momento em que você aceitar quem é de verdade, você verá que as pessoas serão atraídas para você, sem esforço.

9. Desista da sua resistência à mudança

Mudar é bom. A mudança vai ajudá-lo a passar de A para B. A mudança irá ajudá-lo a fazer melhorias em sua vida, e também na vida daqueles ao seu redor. Siga a sua felicidade e abrace a mudança sem resistir.

"Siga a sua felicidade e o universo abrirá portas onde só havia paredes" Joseph Campbell

CRP 05/13890

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

As mudanças 4,5 e 6 que você precisa para tornar a sua vida mais fácil e muito mais feliz

4. Desista da sua auto-crítica destrutiva

Quantas pessoas estão prejudicando a si mesmas por causa de sua negativa, tóxica e repetitiva mentalidade derrotista? Não acredite em tudo que sua mente lhe diz - especialmente se ela for negativa e auto-destrutiva. Você é melhor do que isso.
"A mente é um instrumento excelente, se for usada corretamente. No entanto, se for usada de forma errada, torna-se muito destrutiva" Eckhart Tolle


5. Desista de suas crenças limitantes

Desista de suas crenças limitantes sobre o que você pode ou não pode fazer, sobre o que é possível ou impossível. A partir de agora, você não permitirá mais que as suas crenças limitantes o mantenham preso no lugar errado. Abra suas asas e voe!
"A crença não é uma ideia criada pela mente, é uma ideia que prende a mente" Elly Roselle


6. Desista de reclamar


Desista da sua constante necessidade de reclamar sobre muitas coias - pessoas, situações e acontecimentos que o deixam infeliz, triste e deprimido. Ninguém pode deixar você infeliz, nenhuma situação pode deixar você triste, a menos que você permita. Não é a situação que desencadeia esses sentimentos em você, mas o modo como você escolhe olhar para ela. 

05/13890
Ocorreu um erro neste gadget